logo caiman
caiman.de arquivo

Brasil: Zeca Pagodinho - A guerra das cervejas

Verão, época de namorar, dos casos curtos porém quentes de namoro de praia, pôr-do-sol romántico, nos braços da sua última conquista e com uma cerveja gostosa na mão...

O que esquentou esse verão foi a guerra das cervejas pelo mercado brasileiro. A Schincariol, até então uma marca apenas marginalmente posicionada no mercado, pegou todo mundo de surpresa e lançou a "Nova Schin". Como garoto-propaganda, apresentou o cantor Zeca Pagodinho, estrela do momento pelo sucesso do seu último disco "MTV Acústico", pagodeiro com fama de cervejeiro e gavião. Com a mensagem "Experimenta!", Zeca brindou para os telespectadores, e as vendas da "Nova Schin" dispararam, de 11,2 por cento em setembro para 15,2 por cento do mercado nacional, em dezembro de 2003.

Desesperadamente, a concorrência tentou reagir, lançando novos comerciais e novos sabores, como a "Kaiser novo sabor". E a AmBev, dona das marcas Skol, Antarctica e Brahma, que juntos atingiram 2/3 das vendas totais do mercado brasileira, baixou os preços, no pleno verão, época predileta para, normalmente, aumentar os preços devido ao aumento do consumo.


Mas a Schincariol não deixou de atacar. No Sambódromo do Rio de Janeiro, alugou um camarote de 500m2 e convidou celebridades da televisão, políticos e líderes da economia. Comparado com o camarote de 2000m2 da Brahma, o espaço era pequeno, mas, mesmo assim, foi um sucesso.

Apenas Zeca conseguiu baixar o astral da "Schin". Disse que estava resfriado e por isso não bebeu nenhum gole. E de cara feia, vestiu a camisa da empresa, só para logo depois tirá-la rapidinho. Será que houve algo de errado? Provavelmente, Zeca já soube da bomba, que estava para explodir apenas três semanas depois do carnaval, em plena televisão.

Junto com a fusão da AmBev, dona da Brahma, com a belga InterBrew, a Brahma ganhou o Zeca como garoto-propaganda. De repente, lá estava ele, com uma Brahma na mão, cantando a música "Amor do verão": "Fui provar outro sabor, eu sei. Mas não largo meu amor, voltei".

A Schincariol, que tem um contrato com o cantor até setembro de 2004, protestou e mandou seus advogados entrarem em ação. Mas bastidores do mercado falaram que a multa de 18 milhões de Reais pelo rompimento do contrato deve ser paga pela AmBev, que pagou mais 3 milhões de Reais para convencer Zeca a trocar de lado. Outros disseram que o salário de Zeca chegou a 3 milhões de dólares, ou cerca de 9 milhões de Reais. Seja como for, Zeca ainda ganhou uma geladeira da Brahma, que está sendo abastecida para que nunca falte uma Brahma na casa de Zeca, em Duque de Caxias, Rio de Janeiro.

A Schincariol conseguiu, uma semana depois da estréia do comercial com Zeca como garoto-propagando da Brahma, a suspensão do comercial, decretada pela justiça. Ao mesmo tempo, a "Schin" lançou uma propaganda, que mostra um personagem chamado Zequinha e um amigo numa mesa de um bar. "Você trocaria sua cerveja por 300.000?" provoca o amigo, mas Zequinha nega. "Por 1 milhão?" o amigo aumenta. Novamente, Zequinha nega. "E se ganhasse 3 milhões?" Essa vez, Zequinha topa. "E até falo que amo, ainda beijo na boca e rodo a baiana." No fundo do bar, uma placa oferece o "prato do dia: Traíra".

Nos dias que seguiram a suposta "traição" do Zeca, o assunto foi discutido intensamente por toda a mídia. Para sair da defesa, a Brahma lançou um comercial com depoimentos de passantes, declarando suas própias experiências com "casos de amor de verão".

E óbvio que todo mundo entendeu plenamente o caso de Zeca, reconheceu o sentimento de se apaixonar loucamente, para depois voltar, arrependido, para o colo do velho amor.

Enquanto isso, Zeca Pagodinho aumentou o mico da "Nova Schin", declarando que nunca tinha deixado de tomar "sua Brahma". Até na hora de gravar o comercial da "Nova Schin": Segundo ele, até no momento de fazer propaganda pela "Nova Schin", ele tomou Brahma – a produção da "Nova Schin" colocou Brahma na garrafa da "Schin". Mas, finalmente, chegou a hora de deixar de mentir: "Eu estou muito velho para ficar tomando cerveja escondido. Não aguentava mais fingir. Todo mundo sabe que eu bebo Brahma.Aliás, a vida inteira fiz divulgação para eles de graça, pois sempre estava com uma garrafa ao meu lado."

Com olhos de cachorro, Zeca olha nas câmaras de televisão, e em frente das telas o telespectador brinda para ele com uma Brahma. O verão acabou, e enquanto os advogados dos dois lados ainda estão brigando, se a propaganda da Brahma com Zeca pode passar ou não, o povo já perdoou tudo. Agora é tempo de voltar pra`casa, e ficar no colo do velho amor.

Texto + Fotos: Thomas Milz print version   

PS: Confire! Em nossa coluna Cervejas apresentamos hoje o velho amor de Zeca Pagodinho!


buscar

powered by google


guia/arquivo

© caiman.de GbR - disclaimer - nós pa´rriba