ed 11/2014 : caiman.de

revista de cultura e viagem para américa-latina, espanha e portugal : [edição atual] / [primeira página] / [arquivo: edição/país/coluna]
deutsch// 


[art_2] Brasil: O Brasil secando (primeira parte)
O "Velho Chico" em apuros
 
O Brasil está secando. O país com a maior reserva de água doce do mundo, que está concentrada principalmente na região norte, está sofrendo como nunca antes. No Sudeste, onde a maioria da população vive, a situação é dramática. Em São Paulo já falta água, e logo poderá faltar também em Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Até na Amazônia aumentam as áreas secas, devido ao desmatamento, que já consumiu cerca de vinte por cento das matas. Outros vinte por cento estão ameaçados por devastação. A natureza está chegando no "tipping point", ponto de virada no qual a natureza perderia sua sustentabilidade, acredita o cientista Antônio Nobre do INPE.

Crítica também a situação do Rio São Francisco, maior rio cem por cento nacional, que corta grandes partes do Nordeste brasileiro. O "Velho Chico" secou na fonte, pela primeira vez. Justamente aquele rio que estava predestinado para fornecer água para o semiárido nordestino. Tarefa impossível, pelo menos por enquanto.


Estamos nas margens do "Velho Chico", na cidade de Ilha do Ouro, em Sergipe. O rio é a divisa com Alagoas, na outra margem do rio. "O rio ainda parece grande, mas quando se pega um barco e tenta atravessar, tu vai ver como está difícil." O pescador, que há meses não pescou mais peixe nenhum do rio, conhece bem as águas do rio. Antigamente, o rio estava com uma profundidade de quinze a vinte metros. "Hoje o barco encalha com as profundidades de um metro, um metro e meio."

O rio está morrendo, acreditam os pescadores. Agrotóxicos e fertilizantes mataram os peixes, e o esgoto de centenas de cidades é jogado sem tratamento. Sem falar das barragens, feitas para gerar energia. Com isso, as inundações desapareceram, que são fundamentais para as lavouras nas margens. O cultivo de arroz já deixou de existir na região.

A maioria dos pescadores vive de programas sociais. Da pesca, ninguém mais tira renda suficiente, devido à diminuição de peixes no rio. Quase impensável que justamente este rio está predestinado para dar água á toda região. Há anos, o governo está construindo dois canais para levar as águas do rio para o interior nordestino. O projeto já consumiu bilhões de Reais, sem avançar significativamente.


Hoje, a maioria dos povoados da região está sendo abastecida por carro-pipa. Os caminhões vão até à margem do rio para bombear a água para seus tanques. Ambientalistas já falam na maior seca dos últimos setenta anos. E não há previsão de chuvas fortes, por enquanto...

Texto + Fotos: Thomas Milz

[print version] / [arquivo: brasil]

 

 


© caiman.de : [disclaimer] / [imprint]